HISTÓRIA da INTERNET – Meios de Comunicação

História da Internet

História da Internet - Meios de Comunicação

ARPANET

 

O ano de 1969 foi importante do ponto de vista tecnológico. Além de ter sido marcado pela primeira viagem tripulada à Lua, esse ano viu também o nascimento do que veio se tornar uma das maiores revoluções das últimas décadas - a Internet.

Concebida originalmente como um projeto de Departamento de Defesa dos Estados Unidos, a ideia da ARPANET (Advanced Research Projects Agency Network), como era chamada, consistia em permitir a comunicação entre vários computadores dentro de uma mesma rede.

O primeiro teste, realizado em Outubro de 1969, foi a transmissão da palavra LOGIN de um computador localizado em uma laboratório na Universidade da Califórnia (UCLA) para outro situado na Universidade Stanford, no mesmo Estado. Curiosamente, somente as letras iniciais LO foram recebidas.

Na década seguinte, os cientistas Robert Kahn e Vinton Cerf desenvolveram o protocolo TCP/IP, que em 1983 foi adotado pela ARPANET. O protocolo TCP/IP estabeleceu o padrão para o tipo de comunicação que temos até hoje na Web.

A década de 80 também foi marcada pela popularização dos chamados Computadores pessoais (PC), cujo conceito havia sido desenvolvido em 1977 pela dupla Steve Jobs e Steve Wozniak, com o Apple II.

 

 

WORLD WIDE WEB

 

Por fim, no começo da década de 90, ou mais precisamente em 1989, a tecnologia da world wide web, foi concebida e desenvolvida pelo cientista britânico Tim Berners-Lee, que trabalhava com ciência da computação no CERN, laboratório dedicado à pesquisa nuclear na Suíça.

Tim percebeu que um grande problema que afetava o trabalho dos cientistas no CERN, era o fato de que as informações estavam localizadas em computadores diferentes e, algumas vezes, era necessário se aprender um programa diferente em cada um deles.

Foi aí que Tim Berners-Lee escreveu a proposta que ele chamou de Information Management: A Proposal. A ideia era que os computadores do CERN pudessem compartilhar informações sobre seus experimentos em forma de hipertexto.

Mas por mais incrível que pareça, a ideia de Tim não foi aceita pelo seu chefe na época, Mike Sendall, que limitou-se a anotar que o projeto era empolgante, mas era vago.

Sem se desanimar, Tim Berners-Lee desenvolveu no ano seguinte as três linguagens básicas da Web: Html, Http e URL. Além disso, ele ainda desenvolveu o primeiro browser e o primeiro servidor.

Em 1991, pessoas de fora da comunidade científica da CERN foram convidadas a entrar na Web. E nesse momento, Tim se viu diante de uma dilema: ele poderia simplesmente cobrar para as pessoas fazerem parte da sua rede, ou poderia deixá-la livre de royalties ou quaisquer outras permissões.

Para a sorte de todos nós ele escolheu a segunda opção, e em pouco mais de dez anos a World Wide Web iniciou uma grande revolução, que alguns chamam de revolução digital.

Em 1995, Bill Gates da empresa Microsoft, percebendo a revolução que seria a internet aliada à Web, garantiu que todos os seus computadores e softwares fossem adaptados para o novo universo digital que estava em seu início.

Definitivamente, a Microsoft foi a única grande empresa de computação que acompanhou a crescimento da Web desde o princípio, fazendo com que ela pudesse se expandir e popularizar rapidamente.

A pioneira na criação de computadores pessoais, Apple, que teve um certo declínio comercial na década de 90, rapidamente se adaptou e começou a oferecer uma série de produtos digitais no novo século que se iniciou.

Não restam dúvidas de que a Internet veio para ficar. Foram criados novos conceitos até mesmo para definir as crianças nascidas a partir da revolução da Web. os nativos digitais.

Por outro lado, a Internet também trouxe perigos. Os crimes ficaram mais sofisticados e, ao mesmo tempo, os governos e as grandes organizações passaram a investir cada vez mais em segurança cibernética.

HISTÓRIA DO JORNAL E REVISTA

Jornal e Revista

História do Jornal e Revista.

 

HISTÓRIA DO JORNAL E REVISTA

 

NO PRINCÍPIO

De uma forma geral, a humanidade sempre precisou de comunicar. O filósofo grego Aristóteles afirmava no século IV a.C que o homem é um animal naturalmente político. E político nestes termo, significava alguém que vive em comunidade. Por conseguinte, a comunicação acompanha a própria ideia clássica de humanidade.

E nos séculos seguintes ao período da Grécia antiga nada mudou. Revistas e jornais são suportes modernos para aquilo que sempre foi comum aos seres humanos: a informação.

E a sua existência veio da necessidade de se preservar essa informação e divulgá-la para o maior número de pessoas possível e também para os lugares mais distantes. Por outro lado, a existência de jornais e revistas pressupunha uma habilidade que poucas pessoas dominavam no início do período moderno: a leitura.

 

A PRENSA DE GUTENBERG

O século XV na Europa foi um momento de muitas transformações. A meio caminho entre ocidente e oriente, a cidade de Constantinopla, último bastião do milenar império romano, havia caído sob os ataques do turcos otomanos.

No lado mais ocidental da Europa, os portugueses iniciaram as suas célebres navegações e explorações por todo o continente africano, tendo sido o primeiro povo europeu a encontrar uma nova rota para as Índias.

No sul da península ibérica, o último reino islâmico da Europa foi finalmente dissolvido pelos reis católicos, Fernando e Isabel, abrindo espaço para a fundação da monarquia de Espanha poucos anos depois.

Mas coube a um alemão chamado Johannes Gutenberg a glória de ter introduzido na Europa a impressão por tipos móveis, que havia sido desenvolvida séculos antes na China.

Ao contrário dos chineses, a máquina de prensa de Gutenberg gerou desdobramentos que influenciaram decisivamente a história europeia, e mundial, pelos séculos seguintes.

 

OS PRIMEIROS JORNAIS E REVISTAS

Porém, foi somente no século 17 que surgiram os primeiros jornais e revistas. E o pioneirismo coube novamente aos alemães. E mais, os anos em que foram lançados o primeiro jornal e a primeira revista impressos, eram relativamente próximos - 1650 e 1663. O jornal chamava-se Einkommende Zeitungen e a revista Erbauliche Monaths Unterredungen.

Em 1665, os ingleses publicaram o seu primeiro jornal, e em 1690 foi a vez dos americanos, ainda um grupo de colônias inglesas na América do Norte. Por outro lado, na América Espanhola a história se passou de forma diferente.

Desde o começo do século 16 que se imprimiam livros na América Espanhola. Diferente do Brasil, que enquanto colônia portuguesa, só teve a imprensa liberada em 1808, quando da transferência da corte portuguesa para o Rio de Janeiro, com a fundação da Imprensa Régia.

E no mesmo ano, começou a publicar-se no Brasil a Gazeta do Rio de Janeiro. Alguns jornais surgidos no período, como o Diário de Pernambuco (1825) e o Jornal do Commercio (1827) continuaram existindo até o século 21. Atualmente, o Diário de Pernambuco é o periódico mais antigo da América Latina em circulação.

 

 

AS CHARGES ENTRAM EM CENA

No começo do século 19, os franceses criaram as charges. O objetivo delas além da sátira, era a crítica política e social. Quase na mesma época, os jornais e revistas em circulação no Brasil também começaram a publicar charges. Podemos citar como exemplo a Lanterna Mágica, Semana Ilustrada, Vida Fluminense e O Mosquito.

No começo do século 20, outra revista que ficou famosa pelas charges foi a revista Fon Fon, que teve o pioneirismo de publicar charges da primeira mulher cartunista do Brasil, e uma das primeiras a nível mundial: Nair de Teffé, que era viúva do presidente da república Marechal Hermes da Fonseca.

 

JORNAIS E REVISTAS NA ERA DIGITAL

Atualmente, a concepção do que é um jornal ou uma revista foi adquirindo novos contornos, acompanhado a revolução tecnológica e as novas mídias sociais. Além disso, praticamente qualquer pessoa com acesso à internet pode começar a publicar online.

Evidentemente, a democratização do acesso à web não foi acompanhada por um incremento na qualidade das publicações, mas de todo modo a “imprensa” ganhou muito em diversidade.

 

HISTÓRIA DO CINEMA

História do Cinema.

História do Cinema.

NINGUÉM INVENTOU O CINEMA

O primeiro desses inventos correlatos chamava-se Cinetoscópio, e foi desenvolvido por Thomas Edison e William Dickson. O invento foi exibido na Feira Mundial de Chicago do ano de 1893.

O Cinetoscópio, também chamado de Kinetoscópio, consistia na exibição, por um olho mágico, de imagens filmadas gravadas em sequência sobre películas de 35mm que, dentro de uma caixa de madeira, eram acionadas por um mecanismo, dando assim a impressão de movimento.

Dois anos depois, o mesmo Dickson junto com outro inventor chamado Herman Casler, aprimoraram o Cinetoscópio para uma versão mais barata e comercial chamada Mutoscópio. Em vez de uma película de 35 mm, o Mutoscópio fazia uso de outra de 70 mm.

No final daquele mesmo ano de 1895, os irmãos Lumière, de origem francesa, inventaram o cinematógrafo. O invento deles adotava em princípio as bases do Cinetoscópio e do Mutoscópio, só que projetando as imagens em uma tela.

Por outro lado, outros inventores franceses como Charles-Émile Reynaud, com seu Praxinoscópio, e Léon Bouly, que cunhou o termo cinematógrafo mas sem patenteá-lo, também deram contribuições importantíssimas para o desenvolvimento dos primeiros projetores.

 

OS PRIMEIROS FILMES E ESTÚDIOS DE CINEMA

 O primeiros “filmes” exibidos pelos irmãos Lumière em 1895, eram na verdade uma coleção de sequências curtas, por volta de 50 segundos, que exibiam o dia a dia das pessoas na França e outros lugares do mundo.

Pouco tempo depois, com a popularização do invento, outras pessoas foram tendo novas ideias para filmes e até mesmo os primeiros “efeitos especiais”. Foi o caso do mágico ilusionista Georges Méliès, que percebeu o potencial do cinematógrafo para criar na tela os mesmos truques que ele fazia nos palcos.

A técnica de colorização foi criada, ainda de forma rudimentar, entre 1906 e 1909. No entanto, na década de 30 ela já estava bem desenvolvida, e alguns filmes coloridos da época, como E O Vento Levou e O Mágico de Oz, são clássicos até os dias de hoje.

O primeiro filme falado, O Cantor de Jazz, foi lançado em 1927, mas novamente os filmes falados só se tornaram mais comuns na década de 30. Neste sentido, é emblemática a atuação de Charles Chaplin, criador do personagem Carlitos. Obstinadamente, ele se recusou a incorporar a fala ao seu personagem, tendo feito isso de forma séria, somente com seu clássico O Grande Ditador, de 1940.

Evidentemente, para gerir toda a indústria que se formou em torno do cinema, era necessário uma grande indústria cinematográfica. Hoje, o nome de Hollywood é conhecido internacionalmente, mas poucos sabem seus começos foram modestos no princípio da década de 10 em Los Angeles.

O fato é que até antes das Primeira Guerra Mundial, o eixo do cinema a nível mundial encontrava-se na Europa. Após a guerra, os Estados Unidos adquiriram proeminência em vários aspectos, inclusive na indústria cinematográfica.

 

A ERA DE OURO DO CINEMA AMERICANO E DEPOIS 

Convencionou-se chamar o período entre os anos 20 e os anos 60, como a era de ouro do cinema americano. E realmente, podemos identificar nessa época vários filmes que se tornaram clássicos, como O Garoto, E O Vento Levou, Casablanca, Cantando na Chuva e Cleópatra.

Depois desse período, os filmes americanos passaram a adquirir um tom mais contestatório e pessimista, o que acompanhava todos os movimentos de juventude a nível mundial que criticavam o status quo. Um bom exemplo desse período é Taxi Driver.

Porém, a partir do final dos anos 70, os chamados filmes pipoca vêm a público. São grandes produções cujo propósito é entreter, mas que ao mesmo tempo podem trazer alguma dose de crítica social ou análise filosófica. Um exemplo clássico de filme deste filão é Star Wars e filmes de super heróis em geral.

Atualmente, existe uma grande variedade de produções e os cinemas se modernizaram muito em comparação com as primeiras salas de exibição, chamadas de nickelodeon, por causa do valor do ingresso (um níquel). Isto tudo prova que o cinema veio para ficar e sempre estará se adaptando aos novos padrões da modernidade.